Home / Notícia / Áreas de mercado do Sistema Fiems assistem palestra para aprimorar serviços e soluções

Áreas de mercado do Sistema Fiems assistem palestra para aprimorar serviços e soluções

7 de Dezembro, 2017 | Acontece nas Casas | Educação e Formação Profissional | FIEMS | SESI | SENAI | IEL | Unicom

  • dsc_0022
  • dsc_0045
  • dsc_0086
  • dsc_0080
  • dsc_0074
  • dsc_0062
  • dsc_0026
  • dsc_0106

A área de mercado do Sesi, Senai e IEL, além de gestores das áreas integradas do Sistema Fiems, assistiram, nesta quinta-feira (07/12), a palestra “Inovação que gera mudança”, com o especialista em Cultura Digital e professor em cursos de pós-graduação do Miami Ad School e do Inepead/USP, Gil Giardelli. Promovida no âmbito do projeto de implantação das práticas de CRM (Customer Relationship Management - ou Gestão de Relacionamento com o Cliente, na tradução livre), e pela Unigep (Unidade de Gestão de Pessoas), o objetivo é aprimorar o atendimento à indústria, oferecendo serviços e soluções cada vez mais inovadoras que ampliem a competitividade e oportunidades de negócios.

"A primeira revolução industrial foi das máquinas de tear e a vapor. A segunda, a da eletricidade. Em 1980, houve a entrada da tecnologia e dos computadores em massa. Agora, na quarta revolução, teremos a união da inteligência artificial de robôs e humanoides com seres humanos. É a interface homem-máquina, que exige muito mais conhecimento, não o técnico, conhecimento sobre essa nova sociedade. Um exemplo: pela saliva, é possível sequenciar o seu genoma por apenas US$ 22. Há 12 anos, custava US$ 3 bilhões. Estamos vivendo a quarta revolução industrial, que é a união entre os mundos físico, digital e biológico. Por isso, precisamos mudar, adaptar diariamente a nossa estratégia. Dar um choque nos conceitos de gestão. Se antes era preciso ter capacidade de liderar, agora é preciso inovar, ter capacidade digital e empreender", afirmou, durante a palestra.

Giardelli prendeu atenção de todos ao apresentar o robô Nao, um humanoide de 57 centímetros capaz de cantar, dançar, andar e conversar, criado com o objetivo de contribuir para o bem-estar da humanidade equipado com câmeras, microfones, autofalantes e vários sensores, que permitem que ele reconheça face, voz e expresse emoções. “O Nao já foi levado para hospitais porque, a priori, pacientes em estado terminal apresentam dificuldade de interagir com outras pessoas. Teve um episódio em que um deles pediu para ouvir Vivaldi e o Nao tocou”, contou sobre o robô que, na Fiems, dançou Michael Jackson.

Repercussão


Sobre a palestra, o diretor corporativo do Sistema Fiems, Cláudio Jacinto Alves, afirmou que houve o cuidado de convidar os gestores das áreas integradas em função do papel que eles desempenham junto às demais casas. “Fizemos questão da presença dos gestores das áreas integradas porque, diante da abordagem do CRM, algo que estamos implantando no Sistema desde outubro deste ano, e devemos concluir em outubro de 2018, é necessário que eles estejam aqui. As demandas surgem das áreas meio e, de alguma forma, respingam nas áreas fins”, pontua o diretor.

Superintendente regional do Sesi, Bergson Amarilla afirma ter deixado o evento “inquieto”. “O que fica claro é que o que Sistema deve ser o precursor da indústria 4.0 para as empresas, nosso papel é esse. Há uma necessidade cada vez mais crescente de nos comportarmos como uma empresa que presta serviços para as indústrias, principalmente no que diz respeito à inovação e ajustes às novas tecnologias”, salienta. Na mesma linha, o diretor regional do Senai, Jesner Escandolhero, considera ser necessário aprimorar e desenvolver conceitos de gestão. “Estabelecer uma troca de experiências sobre estratégias de negócio, marketing e tecnologias para gerenciar e analisar as interações, otimizando, desta forma, a assertividade na captação e manutenção dos clientes”, destaca.

Superintendente regional do IEL, José Fernando do Amaral também pontua a importância de estar à frente no que diz respeito à tecnologia, especialmente ao levar em conta que, além da gestão empresarial, o instituto lida com um público essencialmente jovem na área de Desenvolvimento de Carreiras. “Enquanto instituição de ponta que é, o IEL está sempre aberto às novas técnicas e processos, seja por meio da inteligência artificial, da internet, da inovação. Mas, sem se esquecer que, no final, o ser humano no centro de tudo”, acrescenta.

"O objetivo maior do evento é preparar a área de mercado para apresentar melhores soluções para os clientes diante do cenário da indústria 4.0 e tecnologias, aderindo as demandas e necessidades da indústrias", finaliza a gestora do projeto de implantação das práticas de CRM (Customer Relationship Management), Célia Gamarra.