Home / Notícia / Em Congresso de Inovação, vice-presidente regional da Fiems pede mudanças administrativas

Em Congresso de Inovação, vice-presidente regional da Fiems pede mudanças administrativas

11 de Junho, 2019 | Acontece nas Casas | Geral | FIEMS | SENAI | Dicom

  • fotozcongressoz1
  • fotozcongressoz2

Ao participar do 8º Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria, organizado a cada dois anos pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) e pelo Sebrae, em São Paulo (SP), o 1º vice-presidente regional da Fiems, Luiz Cláudio Sabedotti Fornari, defendeu mudanças administrativas para alavancar investimentos em inovação no País.

“Nós estamos passando por um momento que será um grande divisor de águas. Está para acontecer mudanças, como a Reforma da Previdência, mas acredito que ainda é necessária uma reforma administrativa para que se definam de uma forma mais clara o que é competência do poder público e o que é competência da iniciativa privada. Só assim haverá condições de estimular o ecossistema de inovação no Brasil”, afirmou Luiz Cláudio Sabedotti Fornari. 

Na avaliação do vice-presidente regional da Fiems, o clima hoje no País ainda é de instabilidade. “Encontrei vários presidentes de federação aqui no evento e todos, sem exceção, estão apreensivos com relação à crise que vivemos. Precisamos dar condições para que os empresários se sintam seguros em investir no Brasil, em investir em tecnologia, pesquisa e inovação. Isso é fundamental para o desenvolvimento da indústria brasileira e para garantir a competitividade dos nossos produtos”, destacou. 

Inovação

O diretor-regional do Senai, Rodolpho Caesar Mangialardo, que também participou do evento, destacou a presença de empresas multinacionais e brasileiras da área de tecnologia, abordando temas como “Brasil Inovador”, “Tendências da Inovação” e o “Futuro do Trabalho, da Alimentação, da Saúde e da Energia”. “Além de ser um evento fantástico, a gente vê o tamanho da importância dessa apologia à inovação para o desenvolvimento das indústrias”, ressaltou. 

Ainda conforme Rodolpho Caesar Mangialardo, durante o Congresso foi possível conhecer os processos de diversas empresas. “Muitas delas demonstraram imensa capacidade de trabalhar em conjunto com equipes do Sesi e do Senai para desenvolver inovação e o que achei mais interessante é que essas inovações nem sempre estavam atreladas a novos produtos ou novos processos produtivos, mas em gestão e humanização da gestão. Mato Grosso tem muita oportunidade e acredito que o Senai pode ser essa porta para trazer melhores condições para as empresas daqui do Estado”, finalizou. 

Sobre o evento

O 8º Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria reuniu no São Paulo Expo Center lideranças das maiores empresas multinacionais e brasileiras da área de tecnologia, abordando temas como Brasil inovador, tendências da inovação e o futuro do trabalho, da alimentação, da saúde e da energia. O espaço de 12.500 m² contou com o que há de mais moderno em termos de tecnologia e são 18 painéis com 19 palestrantes internacionais, de 12 diferentes países, e 31 brasileiros para debater as inovações desenvolvidas no Brasil e por países referência no tema, como a China, Israel, Alemanha, Suíça, Finlândia, Índia.

Levantamento da CNI mostra que, em geral, países com as economias mais avançadas são aqueles que mais investem em inovação. Na lista de palestrantes, destacaram-se a presidente da IBM América Latina, Ana Paula Assis, a CEO da Microsoft Brasil, Tânia Cosentino, o presidente da Qualcomm para a América Latina, Rafael Steinhauser, o fundador da Totvs, Laércio Cosentino, a CEO do Conselho de Competitividade dos Estados Unidos, Deborah Wince Smith, a presidente da SAP Brasil, Cristina Palmaka.

Também participaram do Congresso de Inovação o diretor-geral adjunto de Política de Inovação e Tecnologia do Ministério Federal da Economia e Energia da Alemanha, Ole Janssen, o fundador e diretor-administrativo da israelense Colosseum Sport, Oren Simanian, o economista-chefe da Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI), o suíço Carsten Fink, e Rakesh Jain, professor de Harvard e diretor de Desenvolvimento de Negócios da JUST, empresa com foco em produtos de proteína à base de plantas.