Home / Notícia / Fed anuncia aumento da taxa de juros nos Estados Unidos pela segunda vez no ano

Fed anuncia aumento da taxa de juros nos Estados Unidos pela segunda vez no ano

14 de Junho, 2018 | Brasil e Mundo | Economia e Trabalho | G1

A Federal Reserve (Fed), banco central dos Estados Unidos, anunciou nesta quarta-feira (13) a decisão de aumentar a taxa de juros no país pela segunda vez neste ano, de 1,5% a 1,75% ao ano para 1,75% a 2%. A elevação era esperada pelo mercado, já que o BC dos EUA monitora os sinais de crescimento da economia do país para conduzir o chamado aperto monetário (aumento de juros).

Em maio, foram divulgados números positivos sobre o mercado de trabalho nos EUA, com criação de 223 mil postos e taxa de desemprego de 3,8% - a menor em 18 anos. Agora, a estimativa é de aumento nos índices de inflação, o que aumenta as expectativas por um movimento de alta dos juros.

A última vez em que o Fed havia aumentado os juros nos EUA foi em março deste ano, na primeira reunião sob o comando de Jerome Powell. Já na reunião de maio, a decisão foi pela manutenção das taxas.

No Brasil, o mercado de câmbio e a bolsa acompanham os desdobramentos da política monetária norte-americana. O mercado monitora pistas sobre o rumo dos juros nos Estados Unidos porque, com taxas mais altas, o país se tornaria mais atraente para investimentos aplicados atualmente em outros mercados, como o Brasil, motivando assim uma tendência de alta do dólar em relação ao real. Após a divulgação da decisão desta quarta, o dólar, que estaca caindo, chegou a subir sobre o real, mas em seguida passou a oscilar. Já o Ibovespa se manteve em queda.

Pistas sobre os próximos passos

Com o aumento já esperado pelo mercado, a expectativa nesta quarta era pelo comunicado do Fed, com investidores em busca de pistas sobre os próximos passos do BC dos EUA em relação à taxa de juros no país. Em nota, o Fed disse que "o mercado de trabalho continua se fortalecendo e que a atividade econômica vem subindo a uma taxa sólida". O órgão cita ainda que o crescimento dos gastos das famílias melhorou, assim como os investimentos das empresas, apontando que a taxa de inflação se aproxima de 2%.